domingo, 31 de março de 2013

Educação Humanista


Educação Humanista
Podemos considerar o humanismo como todo o pensamento moderno que surgiu juntamente com a Renascença, período onde se recupera algo que foi perdido da cultura grega e que apenas os árabes conservaram.
 Nesse período o homem é o centro (antroprocentrismo) e com conhecimento próprio. Existe um otimismo em relação ao ser humano e sua percepção sobre a pessoa é um elemento positivo. Recupera-se então a ideia que o homem foi criado igual a semelhança de Deus, onde toda a pessoa é boa e toda a criança que nasce é perfeita e as que morrem antes dos sete anos são anjos.
Na visão naturalista, a observação da vida é pelo que acontece na natureza, prezando os ritmos diferentes de aprendizagem do indivíduo, assim como cada planta tem necessidades diferentes.
No aspecto empírico a valorização da existência secular e terrena não despreza o religioso, mas começa a valorizar as coisas do mundo, com isso, começa a mudar a mentalidade medieval para renascentista. Nesse momento é esquecida a ideia de vida eterna e inicia-se a preocupação com a saúde e como podemos fazer para curá-la.
Na renascença se descobre a possibilidade da pessoa ser humana e a importância do afeto. A curiosidade os remete a busca por mais conhecimento, e a pessoa não se contenta em ficar presa apenas ao que sabe e assim vai à busca de mais sabedoria. Existe a liberdade de pensar, não se reproduz, mas se cria.
A visão é que o ensino deve ser alegre e prazeroso, então se começa a quebrar o paradigma do dualismo. A separação do belo e feio revela as coisas que são belas e então a mulher começa se vista de outra maneira na sociedade.
Nessa época é feito então a interpretação: ocorre a ruptura radical da época medieval e ao mesmo tempo coexisti a época medieval e a renascença, assim a Idade Moderna não começa do zero, como se não existisse passado, mas o modifica no que não estava bom.
A renascença se diferencia da matriz cristã antiga. O ser humano começa tomar consciência de seu valor e de sua importância, onde as coisas mudam a partir do homem.
Com a liberdade, passa a existir uma diversidade de ensinar, um pluralismo, o sentimento de ver novos horizontes.
Os dez mandamentos religiosos perdem força e não são eles que regem mais a vida das pessoas. Elas que determinam suas regras e a forma de convivência, sendo o homem o criador de sua história.
No contexto sócio histórico acontecem três grandes movimentos:
  1. Renovação religiosa: pré reformadores, reforma e contra reforma;
  2. Pensamento técnico científico;
  3. Movimento Humanista
Surgem os primeiros movimentos de lutas e acontece a guerra de 100 anos – França x Inglaterra. As forças dos restados se unem formando nações.
Os pré reformadores, John Wyclif, Oxford, criam movimentos de escolas e Universidades não serem exclusivas da burguesia. Nesse período a bíblia é traduzida do latim para língua inglesa para que todos tenham acesso ao livro sagrado e as bibliotecas dos mosteiros são abertas para a população em geral. Com isso John Wyclif é condenado e morto.
Na reforma protestante, Lutero escreve 1500 frases e prega na porta da Igreja. Essas teses desencadeiam uma mudança na Alemanha e depois em toda a Europa. Ele afirma que toda a pessoa é salva pela fé, pela prática e não se compra perdão com dinheiro.
Lutero e Melanchton trabalham para a implantação da escola primária para todos, defendendo que a educação deve ser publica.Organiza a didática com jogos, exercícios físicos, música, valorizando a literatura. Recomenda o estudo de história e matemática.
Na contra reforma, o Papa incentiva movimentos contra reforma. Nesse período Inácio de Loiola é ferido e no seu leito de morte conversa com Deus. Milagrosamente ele é curado através da sua fé então em agradecimento ele cria a Cia de Jesus, onde a principal obra é criar escolas para combater a reforma. Esse movimento é chamado de Jesuitas e chegam ao Brasil em 1549.
O Humanismo é um período onde o homem toma consciência de si. A ideia é de não se contentar com pouco, mas aproveitar todos os momentos, aprendendo o máximo possível para se tornar excelente naquilo que se aprende. Com isso passa a fomentar a concorrência entre os alunos pela busca da excelência e o professor deve utilizar como meio pedagógico o fato que os alunos não querem ser perdedores numa disputa. Esse método é chamado de Disputátio, visando um método correto e disputa no ensino.
Erasmo de Roterdam (1466 – 1536) – Dizem que era filho de padre e então foi abandonado e acabou sendo criado por outro padre.
Faz uso de sua experiência de vida, em teoria educacional. Usa como exemplo a roldana que consegue levantar algo muito pesado com pouco esforço. Com essa metáfora ele utiliza esse método como correto e ordem nos estudos: aprender um pouco de cada vez e rememorar sempre o que se aprendeu.
Na educação humanista o que fica de significativo é realmente a transformação social, cultural e econômica e religiosa que acontece. Nesse contexto os povos se abrem para receberem outros costumes, valores, outras formas de pensar. Com isso o homem passa a se valorizar e tornar-se o “centro” do universo.
Dessa forma a educação humanista acaba se organizando e preocupando-se com a educação Universal e pública, onde todos devem ter acesso ao ensino e não apenas a burguesia. Dessa forma a sociedade também se organiza em vários níveis.
Graças a esse movimento do passado, hoje todas as crianças no Brasil tem acesso à educação no ensino fundamental.
REFERÊNCIAS:
ARRUDA, Maria Lúcia Aranha, História da Educação. São Paulo: Moderna, 2002
GADOTTI, Moacyr, Histórias das Ideias Pedagógicas. São Paulo: Moderna, 2002

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário